Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Escritório do Marquês

Bem-vindos à minha man cave! Sintam-se em casa, mas não ponham os pés em cima da mesa.

O Escritório do Marquês

Bem-vindos à minha man cave! Sintam-se em casa, mas não ponham os pés em cima da mesa.

Redes sociais de quatro patas, e não só

Abril 23, 2021

Marquês

As redes sociais são um mundo estranho e perigoso - eu que o diga, estou a escrever num blog que, em última instância, é uma espécie de rede social.

 

Todo o tipo de pessoa está nas redes sociais. Os mais inteligentes, os executivos de topo, os pelintras, os altos, os baixos, os que usam óculos, os que são carecas, os que escrevem "prontos" e "perçiso". Enfim, toda a gente! Literalmente, toda a gente.

 

Mas não é só "gente". Também há animais nas nossas redes sociais. E isto é perigoso.

 

Porquê? Há 4 tipos de pessoas que faz um rede social para o seu amiguinho "de estimação". 

 

- O macho. O macho tem um animal pujante que faz coisas pujantes. Um doberman que faz halterofilismo, um bulldog francês que conduz (raio do cão é mesmo engraçado), uma tartaruga. Gatos não, toda a gente sabe que é um animal que toma banho na própria língua e lambe as partes íntimas em cima do sofá.

 

- O exótico. Um guaxinim, um ouriço, uma cobra, entre outros animais diferentes do habitual cão, gato, hamster. Através do Instagram descobri que há ouriços-cacheiros fotogénicos que partilham o seu dia a dia nas redes sociais! Ok, depois percebi que as suas "viagens" afinal eram photoshopadas e o ouriço deve habitar numa caixa de sapatos nos subúrbios. Mas, mesmo assim, a sua conta de IG é super fixe!

 

- A tia solteirona. A tia solteira não é a tia que sai à noite com as amigas e diz que nunca vai casar porque os homens não valem nada. A tia solteirona é aquela que vive com um gato ou cão que trata por "filho" (mas quem vê as fotos sabe que é o "namorado") e falta a jantares de amigos porque o bebé não pode ficar sozinho pois foi levar uma vacina. A tia solteirona divide gelados com o cão como se lamber baba de um pug fosse a cena mais normal do mundo.

 

- Por último, o influenciador. Este é, talvez, um dos casos mais peculiares do reino animal. O animal tem muitos seguidores, o dono tem muitos seguidores, e nós não sabemos quem potenciou quem. Mas recebem tudo o que é ração e brinquedos. As lojas digladiam-se para patrocinar o cão que acompanha o PT do ginásio outdoor bué fixe com vista para o rio nos seus treinos outdoor, ou a gata da influenciadora xpto que fazem snapchats juntas em que aparecem com pestanas postiças e chapéus de elfo. Quem dá mais pela gatinha Filó?!

 

Confesso que, no ano de 2012 fiz o mesmo. Criei uma página de Instagram para o meu gato. Sacana era mal-agradecido e preguiçoso. Produzia poucos conteúdos. Na altura, julgava que seria um chamariz para raparigas, mas o máximo que consegui foi uns lençóis mijados e uns arranhões. Claramente, falhei em qualquer coisa.

 

Se souberem de outros tipos, a caixa de comentários é uma caixa de Pandora neste momento.

SuperLiga Europeia: boa ideia ou atentado?

Abril 20, 2021

Marquês

Antes de mais, se sou a favor da criação de uma SuperLiga? Nim.

 

Agora, que já me chamaram nomes, respirem um segundo e continuem a ler.

 

Se concordo com uma SuperLiga nos moldes em que foi apresentada? Não.

Se sou a favor da Liga dos Campeões como está atualmente? Não.

Se gosto do novo formato da Liga dos Campeões apresentado? Nem por isso.

Se gosto das diferenças que existem entre clubes ricos e pequenos? Não. Mas elas já existiam antes da SuperLiga.

 

A meu ver, algumas das razões que podem ter levado à criação da SuperLiga não são assim tão descabidas. Se tivermos como exemplo o basquetebol, tanto a NBA como a Euroliga funcionam de modo semelhante. Quanto a mim, acho que é importante perceber desde logo que os adeptos não deixam de fazer parte do jogo. 

 

E há aspetos interessantes a reter: 

- Promessa de receitas astronómicas (como acontece na NBA).

- Promessa de grandes embates entre os melhores clubes e jogadores do mundo (como acontece na NBA).

- Perdoem-me a falta de humildade, mas prefiro ver um Barcelona - Man City que um Krasnodar - Rennes...

 

Aspetos negativos:

- Maior divisão para os clubes "mais pequenos".

- Calendários com demasiados jogos.

- Demasiados organismos a gerir o negócio futebol.

 

Porque não podemos esquecer isto: o futebol é um negócio. E é um negócio que alimenta muita empresa e movimenta muita influência. O futebol atual não é para os adeptos. Por isso é que os horários são definidos por canais televisivos e os empresários ditam quem joga e quem é transferido. O futebol goza de um estatuto que chega a estar acima das leis - e isso não é bom para os adeptos.

A discrepância existente entre clubes vai sempre existir quando as entidades que existem e mandam no futebol assim o entenderem. Por isso é que em Inglaterra existe centralização de receitas comerciais. Algo impensável em países como Portugal. Por isso é que em Inglaterra o último classificado compra jogadores por valores superiores aos "grandes" de Portugal.

 

O futebol é bonito quando o David derrota o Golias? É. Principalmente quando o David vira Golias. O caso do Leicester, por exemplo. Um clube que veio de baixo, subiu a pulso, investiu, foi feliz e passadas quatro ou cinco épocas continua a dar luta. Em Portugal, nos últimos 20 anos vimos duas equipas a dividir entre si os títulos de campeão. Um clube histórico como o Vitória FC foi castigado por ter dívidas e salários em atraso. É esse futebol que queremos?

 

Por outro lado, o atual modelo da Liga dos Campeões está feito para que equipas como Ferencvaros, Midtjylland e Dinamo Zagreb festejem quando fazem um ponto na fase de grupos. Alargar o número de equipas só vai evidenciar essas diferenças. 

 

No fundo, que se aproveite este debate para se mudar algo para melhor. Porque este grito do Ipiranga pode ser a chave para um melhor modelo do negócio futebol.

A vitória esperada

Janeiro 25, 2021

Marquês

Não, não estou a falar da reeleição mais que antecipada do nosso Presidente da República.

 

A maior vitória das Presidenciais foi a vitória do medo e da falta de respeito. Medo do vírus, medo de sair de casa, medo causado pelas capas de jornais e noticiários televisivos. Falta de respeito pelo outro, falta de respeito quando se coloca uma festa privada à frente da saúde de todos, falta de respeito quando se prefere ficar em casa a ir exercer um direito enquanto cidadão. Uma vitória de quem não exerceu o direito ao voto. Uma vitória de quem faz "like" em quem foi votar, mas prefere ficar agarrado ao ecrã. Uma vitória de quem sabe todas as calinadas, porém, não faz ideia dos ideais dos candidatos.

 

Analisando bem estas eleições, o candidato que não fez campanha além dos debates em que participou e da agenda enquanto presidente, alcançou uma vitória esmagadora. Sem campanha, sem a bandeira assumida do partido que o apoia, sem entrar em detalhes ou prometer o que quer que seja. Por outro lado, vemos uma esquerda desfeita, em campanhas de lábios vermelhos e guerras sem fundamento. Carregando consigo o apoio (?) dos movimentos sociais e das minorias ofendidas.

 

Numa altura em que o país atravessa uma grave crise social e económica, numa altura em que estamos a perder uma luta contra um inimigo invisível, numa altura em que já estamos a boicotar o presente e o futuro do país, numa altura em que o mais sensato seria adiar as eleições.

 

Em suma, uma vitória esperada. E a certeza de sermos um país de cidadãos remotos, sem capacidade para agir.

O flagelo que nos assola

Novembro 25, 2020

Marquês

O momento que todos nós temíamos, chegou.

 

Não há como resistir. Já estão aí. Chegaram. Salvem mulheres e crianças!

 

As músicas de Natal estão a ganhar tempo de antena nas rádios nacionais. Os brinquedos ocupam metade dos corredores do supermercado. Os anúncios de Natal tomaram de assalto as televisões!

 

Sim, as músicas de Natal estão aí para ficar.

 

Boa sorte, amigos. Boa sorte...

Ai a Greta

Dezembro 03, 2019

Marquês

Sou o único que não se considera um seguidor da Greta Thunberg?

 

Atenção, dou muito mérito a todos os que fazem algo para tentar salvar o planeta. Sou muito a favor disso.

No que puder ajudar, contem comigo.

Simplesmente sinto que a Greta é uma moça com bom fundamento, que conseguiu cativar uns milhares de seguidores na sua ideologia mas fica-se por aí. Além de culpar os adultos pelo estado do planeta e apelar ao sentimento e à raiva que há dentro dos jovens, não a vi sugerir um caminho.

Ok, é apenas uma jovem, não lhe é exigido que descubra a solução milagrosa para salvar o planeta.

Mas será que puxar da emoção para dizer que os adultos são uma merda e que o capitalismo está a destruir o planeta é um caminho para a salvação? Talvez sim, talvez não.

O mundo precisa de heróis e uma "criança" com ar fofinho e síndrome de Asperger que quer salvar o planeta é o sonho de qualquer Walt Disney. Uma autêntica máquina de propaganda construída à sua volta. Com todo este poder que está a adquirir, espero que o saiba usar para o bem. Invés de tirar os jovens da escola, porque não colocá-los a fazer boas práticas para o ambiente? Porque não ensinar-lhes que o consumismo destrói o planeta? Porque não mostrar-lhes que não precisam ter 20 pares de calças da moda nem um smartphone topo de gama? Porque não levá-los a acreditar que a reciclagem não é uma seca?

 

Vá lá, Greta, tu consegues melhor que isso.

 

Agora, vamos ser adultos e trabalhar para dar um futuro à Greta e aos nossos filhos. Isso sim, sou fiel seguidor. 

Efeito Black Friday

Novembro 28, 2019

Marquês

O conceito Black Friday - mais um conceito estrangeiro que se está a instalar no nosso país graças à aldeia global - é um verdadeiro fenómeno com tudo para resultar.

Segundo alguns estudos, há empresas onde a sexta-feira a seguir ao Thanks Giving é o campeão de vendas. Não é o Natal, não é a época de saldos, é a Black Friday. Se nos EUA acampam à porta das lojas e nós ríamos, atualmente já somos nós a invadir espaços comerciais à meia-noite para trazer para casa um televisor (aconteceu o ano passado, na Black Friday da Worten e deve repetir-se esta noite).

Quanto a mim, sou adepto do online, não me apanham num shopping nestes dias. Mas, acima de tudo, sou despreocupado. Não consigo esperar por uma data em específico para poder comprar algo e correr o risco de esgotar ou não ser alvo de um desconto. Ainda para mais, com os Outlet e as promoções ao longo de todo o ano, consigo gerir o orçamento consoante as necessidades do dia a dia.

E este pode ser o meu conselho: não esperem pela Black Friday para ir às compras sem objetivos bem definidos. É o equivalente a ir ao supermercado com fome - acabamos por comprar mais do que verdadeiramente precisamos.

As campanhas em redor da Black Friday (que já deriva em Black Weekend, Black Week, Black Month, qualquer dia temos uma loja a arriscar uma Black Year) causam em nós a sensação FOMO (Fear Of Missing Out). Posso não precisar de nada nem ter nada programado mas vou comprar algo só para não escapar a esta tendência. E não esquecer de tirar foto e postar nas redes sociais. #blackfriday #comprasblackfriday #compreiumamesadeesplanadaenemtenhovaranda

Portanto, a dificuldade agora é descobrir o que vou comprar mesmo sabendo que não preciso de nada, mas quem sou eu para deixar passar esta oportunidade fantástica de comprar uma televisão nova com 70% de desconto ou uma bicicleta nova para ocupar aquele canto da sala vazio?

As escolhas de Fernando Santos

Novembro 07, 2019

Marquês

Ser treinador de futebol não é tarefa fácil. Ser seleccionador acredito que mais difícil seja. Esta convocatória de Fernando Santos dá que falar (não dão todas?). Fica de fora este e aquele e convocou o outro e o coiso?

Se a convocatória não é consensual, ao menos é um excelente veículo de comunicação e promoção mediática (a título de exemplo Rui Silva é um trend no Twitter). Em televisão vão somar-se horas a falar dos jogadores escolhidos e das ausências, nos jornais e pela Internet vão escrever-se muitas palavras sobre o assunto, nos cafés vai ser aperitivo e digestivo com a Liga Europa pelo meio. E, mesmo que tivesse escolhido outros, arrisco-me a dizer que iam existir muitas bocas para criticar as suas escolhas porque há sempre alguém a discordar.

Fernando Santos hoje estava, mais uma vez, sereno e confortável a responder em conferência de imprensa. Está habituado. Os treinadores adoptam posturas diferentes quando falam com os jornalistas consoante o estado de espírito, as mensagens que querem transmitir, a pertinência das questões ou o próprio contexto em que estão. Hoje, o engenheiro estava bastante calmo. Falou dos convocados, dos ausentes, falou de táctica e dos "números" no futebolês.
Mas acima de tudo tentou passar a mensagem que Portugal vai vencer os próximos dois jogos e estes 25 homens são as melhores escolhas para conquistar esse objectivo.

A certa altura senti que estávamos todos à mesa do café, seleccionador, jornalistas e plateia. À conversa. Porque é assim que se deve conversar. Um pergunta, outro responde, uma ou outra contra-opinião construtiva para o diálogo.

É claro que, no seu lugar, as minhas escolhas e postura seriam completamente diferentes. Contudo, o seleccionador é ele. Tenho a minha opinião. Teria convocado o Rui e o Ricardo, deixava de fora o Beto e o Daniel. Parece até que quis mostrar que a conversa do "9" puro não era bem aquilo e convocou três pontas-de-lança. Dificilmente vão jogar os três.

Mas o futebol também é bonito por isso. Faz-me lembrar as "equipas" inventadas nos cadernos da escola. O melhor 11 de sempre, o melhor 11 da Europa, o melhor 11 do campeonato, etc. Entre amigos partilhávamos as escolhas. E nem aí éramos consensuais...

O Marquês ajuda... Halloween

Outubro 30, 2019

Marquês

Quem tem crianças em casa começa a habituar-se a esta invasão do Halloween. Desde tenra idade, a pequenada cresce com o Halloween e os doces ou travessuras. 

Um minuto de silêncio em honra do "Pão por Deus".

...

E, portanto, há disfarces, fantasias, partidas, doces e travessuras, e muita brincadeira lá por casa. Como temos uma menina de 5 anos, deixo algumas dicas para um mini-brilharete.

 

FATO: Este ano optamos por reciclar o fato do ano passado - que ainda lhe serve. Uma bruxinha muito assustadora!

Chapéu preto, vestido preto e vassoura a condizer.

Para dar um ar fresco e renovado ao chapéu, vamos optar por colocar uma fita roxa com um morcego em cartolina preta. Bastante simples e, segundo a mais nova, parece a Vampirina.

No vestido decidimos pintar umas teias de aranha a branco. Assustador! 

Com umas collants pretas ou roxas e a magia acontece.

 

Outra dica: o ano passado levou umas mini-abobrinhas com chocolates lá dentro para entregar aos colegas no colégio. Este ano tivemos uma ideia diferente. Aranhas - chupa-chups!

Tudo o que precisam é: chupa-chupas, olhos adesivos e uma coisa que no chinês tem por nome "limpador de cachimbos". E o aspeto é este:

aranhas.jpg

E estamos preparados para mais um Halloween!

 

Hoje é dia de envergonhar o e-mail

Outubro 29, 2019

Marquês

No seu meio século, devem existir, com certeza, histórias mirabolantes em redor do mundo do correio electrónico.

Decidi, em homenagem, elaborar um top 5 de histórias embaraçosas.

 

1 - Primeiro e-mail

Ah a nostalgia do primeiro e-mail. Em muitos casos, criado durante a adolescência, em idade rebelde. Onde se misturavam alcunhas e nomes/números para nos dar algum estatuto. As saudades da gatinha69, do ze_slb, do johnny_the_man ou da loiralx.

O meu versava algo tipo rodas_mc. Alcunha originária na mítica série Morangos com Açúcar, pois aparentemente era parecido com o personagem. O mc foi um total falhanço, nunca fui rapper e o mais perto que estive de construir uma quadra foi no Natal de 98...

 

2 - Destinatário errado

Que atire a primeira pedra quem nunca enviou um e-mail para a pessoa errada! Normalmente, acontece em ambiente de trabalho. Confesso que já enviei e-mails para empresas concorrentes... Da empresa certa responderam-me negativamente, da empresa errada alertaram-me que me tinha enganado. E tudo se passou sem grandes problemas.

 

3 - Anexo sem anexo

Este deve ser o "erro" mais típico. Vamos enviar um ficheiro e o ficheiro não chega a apanhar a boleia.

"Segue em anexo...", ao que recebemos uma resposta deste género "Chegou sem anexo". "Peço desculpa, agora sim, segue em anexo..."

Mais chato quando acontece ao final do dia e já só nos falta enviar um e-mail importantíssimo com um documento que estivemos todo o dia a tentar finalizar. É enviar e fechar o escritório. E o e-mail segue sem anexo...

 

4 - E-mails corrente

Felizmente, já não vivo assolado por este flagelo. Mas certamente muitos se lembram desta palermice tão famosa na primeira década do novo milénio.

Ninguém podia quebrar a corrente ou teria 7 anos de azar. Se entrasse na corrente a vida ia correr-lhe bem e coisas boas eram prometidas. Eram frases religiosas, provérbios e pensamentos de filósofos reconhecidos (que seguramente nunca disseram tais alarvidades), ou simplesmente imagens muito profundas ou histórias emocionalmente tristes. 

 

5 - Fotos de gatos e gatas

Last but not least. Os e-mails de gatinhos fofinhos!

E permitam-me englobar neste tópico dois tipos de e-mails. 1 - Gatos fofinhos. 2 - Homens ou mulheres pelados. 

O mundo pode estar a ruir, podemos ser pessoas adoráveis ou maus carácteres, mas todos, sem excepção, adoramos fotos de gatinhos fofinhos e vídeos de gatinhos a fazer gatinhices!

Por outro lado, o correio electrónico já fez circular muita gente despida. Mais famosa ou menos famosa, já circulou muita gente pelada por esses e-mails fora...

 

 

E vocês, há por aí histórias a envolver o nosso amigo e-mail?

 

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub